é a segunda maior elevação de Portugal Continental.
O cume atinge 1546 metros de altitude, segundo folha do Instituto Geográfico do Exército. Faz parte do sistema montanhoso da Peneda-Gerês.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês é considerado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera.


Trilho da “construção popular”

O trilho da construção popular é um percurso pedestre com cerca de 8,5km de cumprimento, sinalizado pelas tradicionais “Mariolas”.
Este percurso situa-se na aldeia de Fafião, freguesia de Cabril, Concelho de Montalegre. O trilho tem a particularidade de se realizar em duas regiões administrativas diferentes: Entre Douro e Minho (EDM) E Trás-os-Montes e Alto Douro (TMAD), pois o rio Fafião divide estas duas regiões.

FOJO DOS LOBOS
O percurso tem início na Aldeia de Fafião, junto ao Fojo dos lobos. Tradicionalmente era costume fazer batidas ao lobo, de modo a eliminar este animal. Nesta atividade participativa um grande número de pessoas e o objetivo era encurralar o lobo numa estrutura em pedra conhecida como “Fojo dos Lobos”. Esta estrutura é constituída por dois grandes muros convergentes em angulo agudo, em geral numa encosta descendente, podendo ter várias centenas de metros, terminando num buraco profundo coberto por ramagens onde o lobo cairia e seria finalmente abatido. O Fojo dos Lobos de Fafião, recentemente recuperado, representa um dos mais extraordinários exemplares destas estruturas tradicionais.

LAGAR DE AZEITE
Descendo por entre oliveiras, pinhal e carvalhos encontram vários equipamentos comunitários como moinhos e lagar de azeite. Etas construções comunitárias, são um bom exemplo de aproveitamento energético da água, são construções de pequenas dimensões, de várias tipologias, implantados próximo de rios ou riachos, em terrenos com acentuado declive.
A propriedade dos moinhos é partilhada entre várias famílias, que dividem entre si o direito à moagem, ficando cada uma com um determinado período de utilização, a que se chamava “roda”, que pode ser por exemplo um dia ou uma tarde por semana.

ESPETO
Siga a levada até ao ponto de passagem do rio (se não for Inverno ou estiver a chover pode dar um mergulho nas aguas cristalinas do rio Fafião). Subindo o estradão da Pigarreira, entra na maior mancha de sobreiros existente no PNPG. Atravessando o rio Conho chega ao Espeto, local privilegiado para visualizar a magnifica panorâmica sobre o vale do rio Fafião e o Fojo dos Lobos. Pode também apreciar a magnifica mancha florestal, que apresenta grande biodiversidade de espécies.

CURRAL DE SALGUEIRO
Subindo a serra encontra a “Fonte de Salgueiro”, onde pode saciar a sua sede. Se fizer um pequeno desvio, chega ao curral e cabana de Sagueiro que ainda hoje é utilizada pelos pastores da Vezeira.
Esta cabana é um pequeno abrigo, que serve de pernoita aos pastores nos meses de Vezeira (Maio a Setembro). Esta cabana foi construída, aproveitando a natureza do terreno, sob uma grande pedra.
Neste local, existe também o curral das cabras, local onde estas ficam parte do Verão (Agosto a Setembro).

PONTE DE MATANÇA
Retome o percurso e siga em direção à ponte de Matança, esta ponte pedonal, foi construída especialmente para a passagem da Vezeira da rês (Cabras) sobre o rio Fafião. Daqui pode apreciar as encostas ingremes e escarpadas do rio, pode usufruir dos belos poços naturais banhando-se na água cristalina.


PENEDO TERRÃO
Do Penedo Terrão, consegue visualizar o imponente vale o rio Fafião. Do lado oposto, encontra-se a Laje da Figueira, local onde a aguia real nidificava.
Pode também aqui, mais uma vez, saciar a sua sede, pois existem duas nascentes de água pura e cristalina.
Siga o trilho até ao estradão, em pouco empo, está novamente na bonita e comunitária a aldeia e Fafião.

FICHA TÉCNICA DOO PERCURSO:

- Nome: Trilho da Vezeira
- Entidade promotora: ADERE
- Localização: Fafião – Cabril – Concelho de Montalegre
- Tipo de percurso: Pequena Rota (PR)
- Âmbito do percurso: Paisagem Natural/Comunitarismo
- Distância percorrida: Cerca de 8,5 KM
- Duração do percurso: cerca de 3 horas
- Grua de dificuldade: Médio
- Cota mínima/máxima: 500m/670

CUIDADOS A TER:

- Siga as indicações de sinalização,
- Não saia do traçado definido,
- Evite fazer ruídos e barulhos,
- Não abandone o lixo. Leve-o até um local de recolha,
- Não faça fogo,
- Deixe a natureza intacta. Não recolha plantas, animais ou rochas. Fotografe. Será uma excelente recordação.
- Cuide do seu conforto. Utilize vestuário e calçado adequado.

Rio de Fafião

 

 

Poço Azul

Localização: Fafião

7 Lagoas

Localização: Xertelo

 

Trilho da Vezeira



Este percurso é feito os Baldios de Fafião, freguesia de Cabril, Concelho de Montalegre. Está sinalizado pelas tradicionais “Mariolas”. É considerado de elevado grau de dificuldade, quer pela distância percorrida 20,33km, quer pelas várias diferenças de costa, desde 500m aos 1260m de altitude.

Aconselha-se acompanhado de um guia, já que de Inverno a serra está sujeita a densos nevoeiros e a nevões inesperados nas costas mais altas e no Verão a vezeira encontra-se a pastorear na serra e requer um acesso controlado.

Parte-se do centro da aldeia de Fafião, com passagem no Fojo dos Lobos, e inicia-se a subida á serra em direção aos corrais e cabanas existentes ao longo do trilho.

As cabanas, pequenos abrigos espalhados pelos montes, servem de pernoita aos pastores nos meses de vezeira. Estas são construídas maioritariamente, em pedra, possuindo diversas variantes, conforme a época em que foram construídas. Muitas vezes, na sua construção, é aproveitada a natureza do terreno (elevação, pedras grandes ou rochas para uma parede).
 

CUIDADOS A TER:


- Siga as indicações de sinalização,

- Não saia do traçado definido,

- Evite fazer ruídos e barulhos,

- Não abandone o lixo. Leve-o até um local de recolha,

- Não faça fogo,

- Deixe a natureza intacta. Não recolha plantas, animais ou rochas. Fotografe. Será uma excelente recordação.

- Cuide do seu conforto. Utilize vestuário e calçado adequado.
 

FICHA TÉCNICA DOO PERCURSO:
 

- Nome: Trilho da Vezeira

- Entidade promotora: ADERE

- Localização: Fafião – Cabril – Concelho de Montalegre

- Tipo de percurso: Pequena Rota (PR)

- Âmbito do percurso: Paisagem Natural/Comunitarismo

- Distância percorrida: Cerca de 20,5 KM

- Duração do percurso: cerca de 8 horas

- Grua de dificuldade: Elevado

- Cota mínima/máxima: 500m/1260m

 

A Vezeira

A Vezeira consiste na junção dos rebanhos duma aldeia para serem pastorados em terrenos comuns, badios. É baseada no agrupamento dos proprietários de gado, seguindo regras de funcionamento comunitário, transmitidas de geração em geração. O papel principal de todos os membros da vezeira é conduzir o rebanho á vez.


A Vezeira das vacas

A associação desta vezeira é constituída pelos representantes das famílias envolvidas. A vezeira é regida por regras específicas, efetuada em Maio e Setembro, utilizando em comum os terrenos baldios da serra e o touro de cobrição.

Um participante deverá guardar m número de vezes aproximadamente proporcional ao número de cabeças que possui. No caso de Fafião, dois bovinos correspondem a um dia a guardar o rebanho num sistema rotativo.

No caso, de possuir, por exemplo, três cabeças e gado, deverá num ciclo guardar uma vez e no ciclo seguinte duas vezes chamado o “Pernão”. O número de rodas numa época, dependerá do número total de participantes e de cabeças de gado.

Os participantes que vão iniciar a guarda do gado deverão subir de tarde, de modo a que seja possível às pessoas que se encontram na serra descer á aldeia antes de anoitecer.


A Vezeira da rês

Cada proprietário deverá pastorear o gado caprino um número de dias proporcional aos seus efetivos. No caso da vezeira da rês, em Fafião, de 18 a 22 cabeças implicarão a obrigação de guardar um dia durante o período total. Se um proprietário possuir apenas 10 cabras, irá uma vez numa circulação, ficando dispensado no período seguinte.

O pastor, normalmente acompanhado por um cão, volta ao fim do dia, com o rebanho para a aldeia. Nos meses de Verão, a partir do primeiro dia de Junho, os animais, após o dia de pastagem, pernoitam na serra num curral bem cercado. Quanto ao pastor, volta para passar a noite na aldeia.

Trilho da Geira

O Trilho da Geira, um percurso pedestre de pequena rota (PR), de âmbito histórico e paisagístico, apresenta uma extensão de 9,5 km, com um tempo de duração de 4 horas, sendo o grau de dificuldade médio. Este percurso alonga-se pelos caminhos agrícolas das freguesias de Chorense e da Balança, que encerram em si vestígios históricos de elevado interesse turístico e cultural. Esse interesse advém, sobretudo, da existência de marcas da actividade romana, a Geira e as Milhas: XV, no sítio de Cantos ou Bico da Geira, XVI no lugar do Penedo dos Teixugos, XVII junto à ribeira de Cabaninhas, XVIII Mutatio Saliniana, na Chãos de Vilar. O conjunto de miliários reunidos nas referidas milhas patenteiam epigrafia a homenagear os imperadores da época.

O interesse da mesma região pode, obviamente, estender-se ao ambiente arquitectónico das aldeias típicas em granito, onde subsiste um ambiente rural bastante acolhedor, e ao ambiente físico e natural que é facilmente perceptível em muitos dos locais do trilho.

Extensão  9,5  Km
Duração  4 Horas
Dificuldade  Médio
Localização  Chorense e Balança
Partida/chegada  S. Sebastião da Geira - Chorense
Acessos     EN - 205 e EN - 307
                EN- 535, 536 e 1265


Esta página web usa cookies
Usamos cookies em nosso site, essenciais para o funcionamento do site. Você pode decidir por si mesmo se deseja permitir cookies ou não. Observe que se você rejeitá-los, poderá não conseguir usar todas as funcionalidades do site.